1508-solenidade-da-natividade-de-sao-joao-batista-frame-1024x576.jpg

João Batista
 

É um caso peculiar dentro do cristianismo: um santo festejado tanto por seu nascimento, em 24 de junho, quanto por sua morte, 29 de agosto. Normalmente, os católicos celebram a morte do santo como aquele dia em que eles "nascem" para a Deus.

 

João Batista foi o homem que, de certa forma, abriu as portas para a missão de Jesus. Pregador itinerante nascido na Judeia, ele se tornou líder religioso de um grupo de judeus da época, exaltando a importância de valores como retidão e da prática da virtude. No intuito de purificar as almas, lançava mão do batismo — realizado em cursos d'água, em cerimônias epifânicas.

Santa Rita de Cássia: a vítima de violência doméstica que se tornou a santa das 'causas impossíveis'
 

Quem foi Madre Paulina, a primeira santa que viveu no Brasil

O batismo não foi uma invenção de João, pois já era praticado na época. A novidade trazida por ele foi o fato de que ele não restringia a participação aos judeus, permitindo também que o ritual servisse para a conversão dos considerados pagãos — e isso motivou polêmicas em seu meio.

De acordo com os textos bíblicos, João era parente de Jesus. Ele era filho de Zacarias, um sacerdote, e de Isabel, uma prima de Maria, a mãe de Jesus. Segundo a literatura sagrada, Jesus iniciou sua missão evangelizadora somente após ter sido ele próprio batizado pelo primo nas águas do Rio Jordão.

 

João Batista viveu nos desertos da Judéia. Em aproximadamente 26 d.C., ele recebeu o chamado para exercer seu ministério profético (Lucas 3:2).

Ele tinha uma mensagem firme, pregava o arrependimento de pecados. Era uma pessoa singular, usava roupas feitas de pelos de camelo, e usava um cinto de couro na cintura. O seu alimento era gafanhotos e mel silvestre.

Ou seja, João Batista definitivamente não se encaixava em nenhum dos principais grupos religiosos judaicos de sua época.
 

Ele foi proclamador do reino vindouro de Deus, preparando o caminho para Jesus. Muitas pessoas viajavam ao deserto para escutar a mensagem de João Batista e serem batizadas por ele. 
 

Em Mateus 3:11 tem a famosa frase que ele disse: “EU OS BATIZO COM ÁGUA PARA ARREPENDIMENTO. MAS DEPOIS DE MIM VEM ALGUÉM MAIS PODEROSO DO QUE EU, TANTO QUE NÃO SOU DIGNO NEM DE LEVAR AS SUAS SANDÁLIAS. ELE OS BATIZARÁ COM O ESPÍRITO SANTO E COM FOGO.”
 

João exerceu seu ministério no deserto da Judéia, Samaria e Enom, perto de Salim (João 3:23). Provavelmente seu período em atividade teve curta duração, mas foi bastante intenso.